Para responder a essa pergunta, copiei me baseie nesse ebook feito pela ABRAII, Start-Up Brasil e SMARTalk.

Aceleração é a ação e efeito de acelerar, ou seja, aumentar a velocidade. Então, podemos definir aceleração de empresas como:

Aceleração de empresa: Acelerar uma empresa para que ela se torne lucrativa mais rápido. Ou para que ela cresça em um curto espaço de tempo. Ou, ainda, para que uma boa ideia se torne uma empresa antes de outras empresas aparecerem.

O QUE É UMA ACELERADORA DE EMPRESAS?

As aceleradoras são empresas que tem, como principal objetivo, apoiar e investir no desenvolvimento e rápido crescimento de startups, auxiliando-as a obter novas rodadas de investimento ou a atingir seu ponto de equilíbrio – quando elas conseguem pagar suas próprias contas com as receitas do negócio.

Além dos serviços de apoio e benefícios oferecidos, algumas aceleradoras ainda investem também um pequeno valor financeiro e, em contrapartida, a aceleradora torna-se sócia da startup até o desinvestimento, quando sua participação é vendida para investidores ou empresas.

O modelo utilizado se baseia em investir cedo nos projetos, aportando um pequeno capital e oferecendo um programa para ajudar as empresas a chegarem do ponto A ao B de maneira mais rápida. Mentores e investidores fecham o resto da equação, apoiando os empreendedores com a sua experiência e capital.

SERÁ QUE ACELERADORA É PRA MIM?

Antes de buscar uma aceleradora, o empreendedor deve analisar se está no estágio adequado para participar de um programa de aceleração. Segundo o SEBRAE, um empreendedor passa por quatro estágios: Curiosidade, Ideação, Operação e Tração.

CURIOSIDADE: O potencial empreendedor está começando a se envolver com o ecossistema, buscando informação e conhecimento. Seu propósito ainda não está claro e é mobilizado pela possibilidade de empreender com sucesso. Dica: busque participar ativamente do ecossistema empreendedor de sua região. Participe ou organize meetups, Startup Weekend, eventos da RGE, do GBG, GDG, CocoaHeads, LabX etc.

IDEAÇÃO: O empreendedor está começando a dar os primeiros passos. Seu principal desafio é validar o seu modelo de negócio, entender se ele é viável, se resolve um problema real e se as pessoas usariam sua solução. Dica: participe de concursos de ideias e programas de pré aceleração como o Lemonade.

OPERAÇÃO: O empreendedor já possui um produto lançado, um negócio consistente e ascendente. Seu desafio é incrementar suas estratégias, desenvolver suas práticas empreendedoras e profissionalizar sua gestão, marketing e finanças. Dica: aceleradoras de empresa como a Techmall podem te ajudar nessa fase.

TRAÇÃO: Na Tração, o negócio já possui resultados consistentes e possui grande potencial de alavancagem. Seu desafio é de crescimento, portanto o empreendedor deve compreender bem seus canais de aquisição e quais estratégias deve tomar para que a sua empresa cresça mais rapidamente e de forma consistente. Dica: nessa fase o ideal é procurar um investidor que ajudará sua startup a escalar ganhando novos mercados.

Os empreendedores e startups nas fases de Curiosidade e Ideação ainda não se encontram no estágio adequado para participar de um programa de aceleração. Como precisam aprender mais sobre empreendedorismo e sobre o seu negócio, o seu principal desafio é dar os primeiros passos para validar a sua ideia. Essa etapa, por padrão, é demorada e depende muito mais das capacidades e esforço individual dos empreendedores, sendo a metodologia (Lean Startup, Customer Development, Business Model Canvas, etc) o melhor suporte disponível. Nessas fases iniciais, eventos de educação empreendedora, fomento e iniciativas da comunidade são os mais indicados.

Em geral, as aceleradoras atuam nas fases de Operação e Tração. Como, nessas fases, os empreendedores já possuem um produto lançado (mesmo que com poucas funcionalidades), um modelo de negócios consistente e validado, o seu principal desafio é o crescimento. As aceleradoras contribuem com o potencial de alavancagem dos negócios por meio de seus programas de aceleração, auxiliando no desenvolvimento, planejamento e execução de estratégias de curto, médio e longo prazo.

COMO FUNCIONA UM PROGRAMA DE ACELERAÇÃO?

Os programas de aceleração possuem em geral o mesmo objetivo: acelerar o desenvolvimento e o crescimento das startups, ajudando-as a sair do ponto A (estágio atual) e chegar no ponto B de maneira mais rápida. Para isso, as aceleradoras se baseiam em alguns pilares de atuação junto às startups:

ACESSO AO MERCADO – As aceleradoras mantêm uma rede de relacionamentos com grandes empresas. Permite-se, dessa forma, que as empresas aceleradas tenham acesso a executivos e oportunidades de negócios em seus mercados.

ACESSO A INVESTIDORES – A apresentação a investidores pode ocorrer tanto de forma coletiva, durante os eventos denominados “Demo Day”, quanto de forma individual, durante ou após o programa de aceleração. Redes de investidores bem constituídas contam com diferentes níveis (investidores-anjo, fundos de investimento semente e fundos de venture capital) e perfil, de forma a permitir que startups com diferentes necessidades de capital e em diferentes indústrias consigam captar.

MENTORIA – De forma a complementar os conhecimentos e a experiência da sua equipe interna, as aceleradoras estruturam redes de mentores que possam dar suporte às startups. O quadro de mentores é, em geral, diversificado, contando com outros empreendedores mais experientes, empresários e especialistas em temas específicos. O mentor é um guia, um conselheiro, alguém com vasta experiência profissional no campo de trabalho da pessoa que está sendo ajudada. A mentoria é um processo extremamente sério e importante, é uma ferramenta de desenvolvimento profissional e consiste em uma pessoa experiente ajudar outros menos experientes. O processo de mentoria deve fazer parte da metodologia de aceleração, funcionando como um processo contínuo que pode ser focado em desafios específicos ou no acompanhamento por um período prolongado. Mentores também podem abrir portas no mercado, oferecendo acesso à sua própria rede de contatos.

METODOLOGIA DE ACELERAÇÃO E ACOMPANHAMENTO – O formato da metodologia de aceleração e acompanhamento utilizada por cada aceleradora pode variar, mas o objetivo comum é dar suporte e efetivamente conduzir as startups a um desenvolvimento mais efetivo de seus negócios. A metodologia é em geral composta pela combinação da experiência e conhecimento anteriores da equipe da aceleradora com metodologias “enxutas” de desenvolvimento de negócios. O acompanhamento da evolução das atividades da startup por parte da aceleradora pode variar também em termos de frequência e duração, mas são baseados no controle de métricas.

WORKSHOPS – Todos os empreendedores das startups aceleradas recebem inúmeros treinamentos e capacitações. A grade de workshops varia de acordo com a aceleradora e com as necessidades das startups em aceleração, podendo cobrir áreas como inovação, design thinking, desenvolvimento ágil, marketing digital, aspectos jurídicos, finanças, negociação, oratória, captação de investimento, entre outros.

SERVIÇOS – Além do acesso a workshops e mentorias, algumas aceleradoras podem oferecer também acesso gratuito a serviços desenvolvidos pelos seus integrantes, como serviços jurídicos, contábeis e financeiros.

BENEFÍCIOS COM PARCEIROS – As aceleradoras contam com uma série de parceiros que oferecem serviços e descontos para as startups aceleradas, o que permite a elas economizar recursos, obter orientação técnica especializada e concentrar esforços em soluções comprovadas que tragam benefícios reais a seus negócios. Os parceiros incluem serviços, como hospedagem na nuvem, distribuição de emails, ferramentas de validação e testes A/B, usabilidade, pagamentos digitais, entre outros.

O QUE AS ACELERADORAS AVALIAM NAS STARTUPS?

Além do estágio da startup, as aceleradoras costumam avaliar outras características do negócio para identificar o alinhamento da startup com o seu modelo de trabalho. Em geral, os pontos observados são:

EMPREENDEDOR E TIME: Conhecimento no mercado que o negócio está sendo desenvolvido, capacidade de execução, experiência empreendedora anterior, número de sócios, complementaridade, entrosamento e dedicação de tempo à startup;

MODELO DE NEGÓCIOS: Modelo de receita consistente e validada, existência explícita de um problema a ser resolvido, aderência da proposta de valor, canais de aquisição (e demais itens do Business Model Canvas);

MERCADO E CONCORRENTES: Tamanho do mercado, potencial de crescimento, segmentação, características e estágio dos concorrentes e referências internacionais.

RESULTADOS E TRAÇÃO: Resultados de validação, número de clientes/usuários, geração de receita, taxas de crescimento, taxas de conversão, retenção e engajamento de clientes/usuários, custo mensal, investimentos anteriores e necessidade de capital.

Um último ponto considerado pelas aceleradoras é a aderência da startup ao seu modelo de trabalho e a sua capacidade de alavanca-la. Nesse caso, o alinhamento entre o negócio e os conhecimentos sobre o mercado da equipe da aceleradora, da rede de mentores e dos parceiros são avaliados.

COMO FUNCIONA A SAÍDA DA ACELERADORA?

Após ser completado o período de aceleração, as aceleradoras necessitam desfazer a sua participação na empresa para reaver o investimento realizado. Esta fase é chamada de desinvestimento. Existem algumas opções de saída da aceleradora e vamos elencar as principais:

Venda da startup para um fundo Private Equity ou Venture Capital;

Venda da startup para os próprios empreendedores;

Venda da startup para compradores estratégicos;

Abertura das ações da startup em bolsa de valores ou IPO (Initial Public Offering), momento em que pode ocorrer acentuada valorização da empresa, capitalizando acima da média a aceleradora.

COMO ESCOLHER SUA ACELERADORA?

No momento de escolher para qual aceleradora aplicar, o empreendedor deve levar em consideração diferentes fatores, como por exemplo:

EXPERIÊNCIA E TRACK RECORD DA EQUIPE DA ACELERADORA: É importante observar as áreas de competência da equipe da aceleradora e se esta possui experiência anterior com trabalhos ligados a empreendedorismo, como por exemplo: ter empreendido anteriormente, trabalhado com atividades de inovação corporativa, experiência anterior em iniciativas de fomento ao empreendedorismo, em incubadoras, fundos de capital de risco, entre outras. É importante entender se a equipe da aceleradora já vivenciou realidades similares pelas quais os empreendedores acelerados irão passar, garantindo maior eficiência na mitigação de riscos e desenvolvimento de estratégias.

MERCADOS DE ATUAÇÃO DA EQUIPE DA ACELERADORA: Além de observar quais experiências anteriores a equipe da aceleradora possui, é interessante entender em quais mercados essa experiência foi construída. Por exemplo, se a sua startup atua no mercado de entretenimento, uma aceleradora que possui um gestor que construiu experiências relevantes neste mercado pode agregar mais valor para a startup, pois possui conhecimento profundo das dinâmicas deste mercado.

MERCADOS DE ATUAÇÃO DAS EMPRESAS ACELERADAS (PORTFÓLIO): A mesma observação vale para as empresas do portfólio. Uma aceleradora que possui grupos de empresas em mercados específicos tende a possuir mais conhecimento e conexões que são relevantes para o desenvolvimento de negócios nesse mercado. Por exemplo, uma aceleradora com um grande número de empresas no mercado de saúde possivelmente terá contato com a indústria e com investidores desse setor, que serão ativados durante o programa para oferecer mentoria e desenvolver relacionamentos com a startup acelerada. Pode existir também ganho de sinergia entre empreendedores, que podem trocar experiências sobre o mercado.

MERCADOS PRIORITÁRIOS DA ACELERADORA: Nem todas as aceleradoras possuem mercados prioritários, mas, em geral, eles são definidos como resultado das experiências dos sócios, dos grupos de mercado das empresas aceleradas e das tendências de mercado para os próximos anos. As aceleradoras se preparam para receber empresas nesse mercado e conseguem desenvolver os benefícios apresentados nos dois itens anteriores.

ENFOQUE DE ESTÁGIO DO PROGRAMA DE ACELERAÇÃO: O enfoque de estágio determina quais serão os conhecimentos e ações priorizadas durante o programa. Uma aceleradora que é focada em empresas em estágio de tração terá atividades em seu programa direcionadas para alavancagem de crescimento por meio de “canhões” de distribuição. Esse tipo de abordagem pode não ser interessante para startups que estão em estágio mais inicial, focadas na validação inicial de seus modelos de negócio. Dessa maneira, é importante observar se há alinhamento entre o estágio da startup e o estágio ideal para as aceleradoras.

REDE DE RELACIONAMENTO E DE MENTORES: Não é apenas o número que importa, é importante observar se a aceleradora possui mentores e uma rede de relacionamento com experiências relevantes para o seu negócio e para o se mercado. Dessa maneira, a startup conseguirá tirar maiores benefícios dessa relação, como troca de experiências, potenciais parcerias de negócios e até ciclos comerciais de venda.

METODOLOGIA DE ACELERAÇÃO: A metodologia de aceleração determina quais serão os conhecimentos ensinados e aplicados durante o programa, além de qual será o método de planejamento e acompanhamento de atividades. Essa metodologia é resultado das experiências anteriores dos gestores da aceleradora, da experiência acelerando outras startups e da aplicação de métodos de mercado. É importante observar o quão alinhado a metodologia está com as necessidades da sua startup, e se de fato ela irá proporcionar os melhores resultados ao ser aplicada realidade do seu negócio.

ALINHAMENTO AOS VALORES DA ACELERADORA: Em geral, as aceleradoras se tornam sócias das startups nas quais investem. Tal como em qualquer relação entre sócios, é essencial existir alinhamento de valores entre fundadores e a aceleradora, de forma a fortalecer o relacionamento no longo prazo e, principalmente, nos momentos de turbulência (eles sempre existirão!).

ALINHAMENTO COM TERMOS DA ACELERADORA (SURVIVAL MONEY E EQUITY): Antes de aplicar para um programa de aceleração, é importante que o empreendedor esteja à vontade com os termos da aceleradora. Parte dos termos, geralmente relacionados à participação societária e investimento financeiro, são públicos, enquanto outros são explicados nas primeiras conversas, como o modelo de investimento. O alinhamento com os termos garante menores atritos no momento de negociação e um melhor relacionamento durante a execução do programa.

ATUAÇÃO PÓS-ACELERAÇÃO: A atuação pós-aceleração determina como será o relacionamento entre a aceleradora e o empreendedor após o período de aceleração formal. É importante que o empreendedor esteja alinhado com o modelo de relacionamento e que esses atendam suas expectativas em relação ao suporte prestado pela aceleradora.

RESULTADOS OBTIDOS PELA ACELERADORA E EMPRESAS ACELERADAS: Os resultados obtidos são reflexo da performance da aceleradora, e evidências do sucesso na execução do programa de aceleração. É interessante observar o montante de investimento levantado por empresas que já foram aceleradas, o faturamento do portfólio, a taxa de mortalidade, os casos de aquisição e liquidez, o crescimento do portfólio, a porcentagem de empresas que receberam investimentos, entre outros.

FEEDBACK DE EMPREENDEDORES ACELERADOS: Geralmente uma atividade negligenciada por empreendedores interessados em programas de aceleração, a busca pelo feedback de startups aceleradas é tão ou mais importante do que a observação dos itens listados acima. A partir desses feedbacks, é possível identificar se de fato a aceleradora é a melhor opção para a sua startup.

PERGUNTAS FREQUENTES

Como a aceleradora pode ajudar minha startup?

As aceleradoras ajudam com sua experiência na validação, desenvolvimento e crescimento do negócio.

Qual o momento ideal para entrar numa aceleradora?

As startups que são selecionadas para o programa de aceleração já possuem, em sua grande maioria, algum tipo de validação do negócio e da tecnologia. Dessa forma são poucas as aceleradoras que selecionam empreendedores com ideias. Apesar de não existir um momento ideal para entrar em uma aceleradora, startups com MVP (produto mínimo viável) e que já tenham os primeiros clientes provavelmente conseguirão aproveitar melhor o programa de aceleração.

Qual o perfil dos empreendedores acelerados?

Ao contrário do que muitos imaginam o perfil dos empreendedores acelerados não é de jovens universitários. A maioria dos empreendedores já possuem alguma experiência e conhecimento do mercado que estão empreendendo e dedicam em tempo integral ao negócio. São pessoas determinadas, resilientes e que querem deixar sua marca no mundo.

Já estamos trabalhando na nossa ideia por um tempo, faz sentido ser acelerado?

Depende do que você está buscando. Muitos empreendedores não buscam dinheiro e metodologias e, sim, o networking, as mentorias e a experiência do time das aceleradoras. Se esse é o seu caso, faz sentido entrar em contato com uma aceleradora.

Quanto uma aceleradora investe?

O investimento varia bastante de aceleradora para aceleradora. O aporte financeiro pode variar de 20 mil a 100 mil reais. Entretanto, o aporte econômico, ou seja, o investimento que a aceleradora realiza com o programa de aceleração, equipe, benefícios de parceiros e infraestrutura é o maior valor que a aceleradora oferece.

Por que algumas aceleradoras fazem investimento no formato de dívida?

O formato de dívida (ou mútuo conversível como é formalmente conhecido) é um dos instrumentos jurídicos mais usados pelo fato de facilitar a vida do empreendedor e do investidor. Trata-se de uma dívida que se converte em participação na empresa em um momento futuro. A maioria das startups é empresa do tipo Sociedade Limitada, porém os investidores só teriam certa segurança jurídica numa Sociedade Anônima (S/A). Para a startup ser uma S/A são necessários diversos custos e obrigações que para a maioria das startups não faria sentido ter. Dessa forma o mútuo conversível é um instrumento que permite o investimento numa Sociedade Limitada, não onerando o empreendedor e dando certa segurança para o investidor.

Eu preciso me mudar para o local da aceleradora?

Grande parte das aceleradoras pede para que os empreendedores estejam presentes em seus espaços. O convívio e a troca de experiência com a equipe e entre os empreendedores de outras startups agregam muito valor ao processo e, por isso, são recomendadas pelas aceleradoras.

Qual a duração do programa de aceleração?

Cada aceleradora tem um programa de aceleração diferente que pode variar de 3 a 12 meses.

Se durante o programa de aceleração eu decidir mudar o projeto, o que acontece?

Não é incomum a mudança de direção (ou pivot) da startup durante o programa de aceleração. Se o melhor caminho envolver a mudança, a aceleradora auxiliará a startup para que esta ocorra de maneira rápida e gere resultados.

O que acontece quando o programa de aceleração acaba?

O papel da aceleradora não acaba com o fim do programa de aceleração. As aceleradoras continuarão sócias das startups e, apesar de terem um papel menos atuante em suas rotinas, ainda continuarão auxiliando o crescimento destas, principalmente na busca de investidores para os próximos estágios de desenvolvimento.

O que acontece se a minha startup não der certo?

Aceleradoras são investidores de alto risco e sabem que são altas as chances de uma startup falhar. Se você e sua equipe trabalharam duro e fizeram o possível para dar certo, mas não conseguiram resultados, paciência! Isso faz parte do risco do negócio e da vida do empreendedor.

Quem sabe na próxima startup você tenha sucesso!

LISTA DE ACELERADORAS DO BRASIL

85 Labs
ACE
Acelera MGTI
Acelera Partners
Aceleradora
Aceleradora 2.5
Aceleradora d.E
Aceleradora d.I
Aceleradora d.S
Agriness
Artemisia
Baita
Berrini Ventures
Cesar Labs
Darwin Starter
FabriQ
Gema Ventures
Hotmilk
Inovativa Brasil
Inove Senior
Jump Brasil
MidStage
Move 2
Nesst
Nidus
Orgânica
Outsource Brasil
Oxigênio
Pipa
Playbor
Quintessa
Seed
Sevna Seed
Start YouUp
Startup Farm
Syndreams
Techmall
Trampolean
Triple Seven
Turbo
V.Start
Ventiur
Wayra
WOW
Yunus

Tem alguma outra aceleradora brasileira que você conhece e que não está aqui? Algum desses links está desatualizado? Entre em contato ou comente esse post para que eu atualize a lista.

QUAL A DIFERENÇA ENTRE INCUBADORA E ACELERADORA?

aceleracao-x-incubacao

Incubadoras e aceleradoras tem como foco empreendimentos inovadores e com alto potencial de crescimento, especialmente no setor de tecnologia. Entretanto, apesar de se parecerem à primeira vista, as aceleradoras possuem importantes diferenças em relação às incubadoras.

De maneira geral, as incubadoras são associadas a uma instituição de pesquisa e ensino e oferecem ao empreendedor orientação e espaço a um preço subsidiado. As incubadoras não possuem fins lucrativos, sendo mantidas por instituições públicas.

As aceleradoras normalmente são entidades privadas que não só não cobram das startups como investem nelas, tornando-se sócias. As aceleradoras ajudam as startups a crescerem em ritmo acelerado e o sucesso delas depende do sucesso de suas startups. Além do espaço físico, as aceleradoras oferecem mentorias, experiência e inteligência de negócios, acesso a networking e diversos benefícios de parceiros.

Incubadora Aceleradora
Modelo de negócio Sem fins lucrativos, mantidas por outras instituições Com fins lucrativos, mantida por investidores privados que esperam ganhar dinheiro com o retorno da venda das ações das empresas apoiadas
Tipo de negócios que buscam Pesquisas acadêmicas ou não que transformam ciência em negócios Negócios mais estabelecidos e que estejam em um estágio um pouco mais avançado
Oferta de serviços Focada em infraestrutura e espaço físico Focada na gestão do negócio, mentoria e networking
Tempo de apoio 1 a 3 anos 4 a 6 meses
Investimento Não investe capital no negócio Investe capital inicial no negócio, de R$20 mil a R$100 mil, em geral
Contrapartidas Pagamento de taxas, geralmente subsidiadas, pela empresa incubada Cessão de um percentual de participação acionária da empresa para a aceleradora
Processo seletivo Normalmente, com pouca competição Muito concorrido

Diferenças entre incubadora e aceleradora

 

Ficou alguma dúvida sobre o que é Aceleração de Empresa? Tem algo a acrescentar? Deixe seu comentário abaixo que terei o prazer de responder. E se possui uma microempresa, uma startup ou é empreendedor autônomo e quer ser acelerado, entre em contato comigo que talvez eu possa te ajudar.

Abs.

André Medina